O jogo da batalha naval

A origem desse jogo de estratégia é ainda incerta, mas teria sido uma invenção de soldados russos antes da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), baseado possívelmente num jogo francês chamado L’Attaque. Todavia, o jogo começou a ser comercializado na década de 1930, quando empresas estadunidenses passaram a vender tabuleiros de madeira e nomeando o jogo como Salvo, Combat: The Battleship GameBroadsides: A Game of Naval Strategy e Warfare Naval Combat.

O jogo batalha naval é de simples montagem, sendo a forma original e mais fácil de ser jogada, usando-se duas folhas de papel, nas quais desenha-se com canetas ou lápis, uma grelha 10×10, então enumera-se a barra superior de 1 a 10, e a barra lateral de A a J. Depois disso os dois jogadores posicionam suas embarcações, que variam de cinco a dois espaços de comprimento. A quantidade de embarcações muda de acordo com a regra do fabricante ou a versão adotada, em que algumas possui mais ou menos navios.

Tabuleiro padrão de batalha naval, sendo formado por uma grelha de 10×10.

Na imagem acima podemos ver um tabuleiro de batalha naval. Os quadrados marcados representam embarcações como porta-aviões, cruzadores, torpedeiros, contratorpedeiros, submarinos, destroieres etc. Os nomes variam de acordo com o fabricante e a versão jogada. Mas normalmente são navios e submarinos surgidos a partir da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

O objetivo do jogo é disparar torpedos ou bombas e afundar as embarcações adversárias. Pela condição de não poder ver o tabuleiro do oponente, o jogador deve escolher um alvo aleatoriamente mencionando o quadrado a ser atacado. Vence quem primeiro afundar todas as embarcações do oponente.

Em 1967 a Milton Bradley, que já tinha lançado uma versão do jogo nos anos 1930, lançou no mercado estadunidense o batalha naval feito de plástico, que se tornou um padrão mesmo para os dias atuais. O jogo traz as embarcações na cor cinza, os alvos atacados em peças brancas e as bombas inimigas em peças vermelhas. No caso dos jogos de tabuleiro existe um limite de bombas a serem disparados, caso todas as bombas acabem, vence quem mais afundou embarcações adversárias. No entanto, esse tipo de modalidade abre margem também para partidas que podem terminar em empate.

Tabuleiro de plástico padrão do batalha naval.

O jogo se popularizou desde a década de 1960, ganhando versões alternativas em tabuleiro, com algumas regras diferentes, além de ganhar versões para videogames, computadores e celulares, os quais criaram outras formas de jogar, incluindo versões mais dinâmicas, em que o jogador controla um navio ou submarino, participando de batalhas contra outros vários jogadores, seja em combate por turnos ou em tempo real. O jogo até rendeu um filme de guerra de ficção científica intitulado Battleship (2012) em que um porta-aviões americano combate uma invasão alienígena.

Referências

HINEBAUGH, Jeffrey P. A Board Game Education. R&L Education, 2009.

Battleship | Board Game | BoardGameGeek

Leandro Vilar
Leandro Vilar

Sou historiador, professor, escritor, poeta e blogueiro. Membro do Museu Virtual Marítimo EXEA, membro do Núcleo de Estudos Vikings e Escandinavos (NEVE).

Artigos: 28
plugins premium WordPress

E-mail

contato@museuexea.org

Endereço de Correspondência

Avenida Governador Argemiro de Figueiredo, 200 - Jardim Oceania, João Pessoa/PB - Caixa Postal 192