O que são os “olhos” nos navios da Grécia Antiga?

É comum, em livros de História, didáticos, e mesmo acadêmicos e que tratem de temas como a da Grécia Antiga, iconografias que fazem alusão ao poderio naval grego. Tendo um enfoque especial na poderosa cidade-Estado de Atenas, estas ilustrações trazem cenas de batalhas navais travadas na antiguidade, muitas retratando o período das guerras Greco-persas. 

Contudo, há um detalhe curioso em relação a estas ilustrações. Ao retratar as embarcações de guerra gregas, são apresentadas imagens, tais como as de baixo, em que a proa (parte da frente do navio) está com dois olhos pintados. Qual o motivo desta pintura? Antes de responder a esta pergunta, é preciso, antes de mais nada, falar um pouco de como os gregos, em especial os atenienses, obtiveram um poderio naval tão significativo no mar Mediterrâneo oriental. 
Representação artística moderna de um antigo trirreme grego. Fonte: Youtube.

Na antiguidade grega, a principal embarcação era o Trirreme (Triremis). Ele possuía esta denominação por ser um navio seu possuía três fileiras de remos para sua propulsão. Era um tipo de Galé, que utilizava a força dos remos e do vento (velas). Detalhe importante é que este tipo de embarcação, apesar de estar intimamente associada com os gregos e romanos, foi amplamente utilizada por outros povos do Mediterrâneo, incluindo Egípcios, Fenícios e mesmo, Assírios e Persas. 

A primeira referência histórica sobre esta embarcação, segundo o autor, é do historiador Heródoto, que no 5º século A.C, menciona Polícaro, rei grego da ilha de Samos. O mesmo contribuíra com 40 trirremes para a invasão persa do Egito, no ano de 525 A.C. Tal embarcação era conduzida por cerca de 200 remadores. Ao contrário do que comumente se pensa, não eram escravos. O argumento é o de que, para conduzir tal embarcação com tamanha força, energia e acima de tudo, censo de dever cívico para com Atenas, os homens com tais qualidades seriam muito mais inclinados a seres Livres, do que Escravos. Isso no entanto, não significa dizer que não houvessem escravos entre eles. Há indícios de que muitos eram libertados, justamente com o intuito de criar estímulo e incentivo para o sucesso da missão.  
Navio grego em vestígio arqueológico. Fonte: Ancient World Magazine.

E quanto aos olhos?

Em relação à sua aparência, o Trirreme era ornado com os olhos na proa do navio por dois principais motivos: o primeiro, era o de intimidar os seus inimigos. O segundo, era o de demonstrar opulência, atraindo os navios inimigos para esta embarcação em específico. No caso específico dos navios atenienses, estes eram identificados por possuir uma estátua de madeira dedicada à deusa Atena a bordo.

Fonte: The Ancient Athenian Navy – The History and Legacy of Greece’s Dominant Naval Force. – Charles River Editors.

George Henrique
George Henrique
Artigos: 5
plugins premium WordPress

E-mail

contato@museuexea.org

Endereço de Correspondência

Avenida Governador Argemiro de Figueiredo, 200 - Jardim Oceania, João Pessoa/PB - Caixa Postal 192